Segue-me | Tumblr

тιago, 18 anos. Um rapaz como os outros que encontra demasiadas coisas por entre as coisas que devem ser notadas. E este é um espaço meu, entre todas as outras coisas.


 


between.




Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2012

who's Charlie Brown?

(He don't want to be recognize.) 


Com a infância à flor da pele e da mente, foi-me certa vez buscar à ilusão. Só depois o conheci. Charlie, Charlie Brown. E desde o início soube que estava perante alguém que, sem que nunca me tenha tocado, me podia servir de consolo. Ele não veio ao mundo para me salvar. Disse-mo. Disse-mo justificando-se de algo que até hoje não me esqueço. “Tu, enquanto estiveres no mundo, acredita: fazes irreversivelmente parte dele. E isso não significa que tenhas de ser como eles. E enquanto o mundo se destrói a ele mesmo, esforça-te para manter a tua unicidade. Não tens de te sobressair para que ela seja notada. Não tens de te entregar à solitude para que ela seja reforçada. Apenas não te moldes ao formato que te vão reservar. E quando algo te obrigar a perder a tua identidade, recusa. Senão vais perder-te em ti mesmo. Senão não serás um. Serás unicamente mais um.”, disse-me. Foi por isso que me deixou depois. Porque sabia bem qual era a minha maior primazia. Sabia que não era bom para mim ter quem me salvasse de tudo. Queria que eu mesmo não me privasse nem do bem nem do mal. Sabia que isso mesmo me reforçaria. Por mim mesmo, pelas minhas vivências, por cada decisão que tomasse. Não me quis guiar. Agradeço-lhe por isso. Só me tirou da ilusão das coisas daquela certa vez para que eu percebesse que disso, de quimeras, ninguém se faz. Não há utopia que construa alguém. E foi por isso que Charlie Brown apareceu na minha vida. Para que eu fosse alguém. Eu mesmo.

 

 


left by тιago às 20:40
link | deixar comentário | favorito
(49):
De anne a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:59
e de que maneira, oh meu deus.


De maguie. a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:57
e escreveres alguma coisa ao charlie? Aposto que ele está à espera :)


De copodeleite a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:44
ora, eu sou a rainha em cometer esses delitos. infelizmente.


De Isabela a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:18
Eu confesso que a ideia de morrer sem conhecer o amor verdadeiro perturba-me, ultimamente.
Beijinho.


De Miriam ∞ a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:16
é impressionante como acreditamos em mentiras.


De patrícia oliveira a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:12
correu mal. não fiz 2 exercícios e os que fiz devem estar mal com certeza -.- mais uma nega para a colecçao lol, vou chumbar.

normalmente as pessoas fazem sempre essa associação mas eu não me vou meter nisso xD


De * wild * a 10 de Fevereiro de 2012 às 21:03
acho muito bem (:


De Autumn a 10 de Fevereiro de 2012 às 20:59
aquele spínola é um gajo que vai à cona de todas as gajas que deixam, como eu não sou assim, é provável que seja por isso que não o conheço.
-
ora bem, acho que este mesmo post mostra algo; somos nós mesmos, sem rodeios e medos e etc. (pelo menos é essa a ideia que tenho de ti) e a partir dessa característica específica se desenrolam outras. (:


De avery. a 10 de Fevereiro de 2012 às 20:20
mesmo.


De Ynis a 10 de Fevereiro de 2012 às 20:10
nao é nao gostar de caes... é ter panico deles xD'D...


It exists between us since 22nd July 2011