Segue-me | Tumblr

тιago, 18 anos. Um rapaz como os outros que encontra demasiadas coisas por entre as coisas que devem ser notadas. E este é um espaço meu, entre todas as outras coisas.


 


between.




Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011

Imaginar.

Podia-se dizer que o simples acto de se imaginar de braços abertos e fingir que estes eram asas, juntamente por imaginar que voava, o deixava livre. Não precisava de asas, não as tinha também. Mas fingindo que voava, voava. Voava mais alto que outros que fingiam ser. Mas ele que fingia voar, voava longe. Voava tão longe que quando deu conta de voar, foi suficiente parar de fingir. E assim que parou, não mais voou. Não voou porque já não fingia voar. Mas cair na realidade não lhe cortara os braços que lhe abriam as asas. Porém, usando somente os braços não mais voou. Descrevia movimentos com estes membros, agitava-os. Tudo o que podia sentir era o ar que cortava, mas não voava. E aí sentiu-se preso. Preso ao chão. E então imaginou voar novamente. Só aí deu conta que o que lhe fazia voar não eram os braços que fingia serem asas que voavam, mas sim imaginar que voava. E a partir daí, não mais fingiu voar; imaginou-se a voar. E voou, voou até não mais o atingirem. Imaginou-se a voar. Mas não partira sozinho. Voara para ir buscar aquela que amava para voarem. Ensinou-a a imaginar e voaram.

Voaram porque não fingiram. 


left by тιago às 21:40
link | deixar comentário | favorito
(67):
De Sofia Sequeira a 27 de Novembro de 2011 às 11:46
Tu escreves tão bem que até me apetece chorar! Amei este texto, mesmo. Vou guardá-lo para o ler vezes sem conta. Um beijo.


De UmToqueDeSentimentos a 26 de Novembro de 2011 às 20:32
UAUUUU ta Magnifico o texto +.+
foi como se eu sentisse e vivesse isso tudo!
Adoro o novo visual do blog!

beijinhos

Marisa


De Soph a 26 de Novembro de 2011 às 17:58
Amoo o fundo o:


De Beatriz a 26 de Novembro de 2011 às 12:38
Já respondi à tua pergunta. Está muito bonito este texto, btw adoro a música.


De maguie. a 26 de Novembro de 2011 às 12:34
hope so :)


De Mafav a 25 de Novembro de 2011 às 23:55
maravilhoso ;D
é sempre bom cair na realidade...


De G a 25 de Novembro de 2011 às 22:37
adorei , simplesmente perfeito!


De Patrícia a 25 de Novembro de 2011 às 21:38
pois é :b


De writingspace1 a 24 de Novembro de 2011 às 14:34
Gostei muito deste texto, esta muito bonito. Deves ter uma veia poetica! ;)

Infelizmente, passa-se sempre alguma coisa comigo. se nao é por uma coisa é por outra mas enfim... ja estou habituada! Podia dizer que a minha vida nao é monotona porque acontece sempre alguma coisa "ma" mas ela acaba por o ser com os "acontecimentos" repetidos, percebes!? Depois canso-me de tudo isto e só me apetece ir para longe de tudo e de todos, dai ter dito que ja passei pelo mesmo. Mas é dificil de entenderes porque es rapaz e normalmente voces sao muito "frios", talvez nao seja a melhor palavra mas nao tenho uma melhor, nao se interessam saber muito se estao a fazer bem ou mal (nao entendas isto como uma ofensa, porque ate podes ser diferente, mas é a minha opiniao e só quando me provarem o contrario é que a mudo). Ah! para complicar depois ha a escola: testes, trabalhos, apresentaçoes, orais... o que cansa muito principalmente no final do periodo. Como eu era tão feliz no básico e nao sabia! xD

Espero que tudo esteja a correr melhor na tua vida. :D


De тιago a 26 de Novembro de 2011 às 20:44
eu poeta? não mesmo :b

eu sou rapaz, mas também sou eu mesmo. sei que não me estás a julgar, mas peço-te para não me veres com ideias feitas. Não sou igual á maioria, posso ter parecenças, óbvio, mas igual não. E eu preocupo-me com o que faço, se o faço bem, ou mal.
a escola... o básico, bons tempos (:

sim está, eu espero que tudo fique bem por aí (:


De Flor-de-lis a 24 de Novembro de 2011 às 14:29
Que dizer....
Esta excelente, talvez um dos melhores que escreves-te.
Bjs


It exists between us since 22nd July 2011